No Code definirá a próxima geração de software

Parece que todos os investimentos em software estão acontecendo em algum tipo de plataforma ou funcionalidade “sem código” ou no code.

A ascensão do no-code reflete a percepção de que estamos entrando em uma nova era do software.

Semelhante ao cloud, no-code não é uma categoria em si, mas uma mudança na maneira como os usuários interagem com ferramentas de software.

Da mesma forma que os PCs democratizaram o uso de software, as APIs democratizaram a conectividade de software e o cloud democratizou a compra e a implantação de software, no-code dará início à próxima onda de inovação empresarial, democratizando conjuntos de habilidades técnicas.

No-code está capacitando os usuários corporativos a assumir a funcionalidade anteriormente pertencente a usuários técnicos, abstraindo a complexidade e centralizando-se em um fluxo de trabalho visual. Essa profunda mudança geracional tem o poder de afetar todos os mercados de software e todos os usuários da empresa.

assine newsletter

Receba Conteúdo exclusivo por e-mail

A stack de tecnologia corporativa nunca foi tão complexa.

Em um mundo perfeito, todos os aplicativos corporativos seriam adequadamente integrados, todo front-end seria perfeito e os processos internos seriam eficientes e automatizados.

Infelizmente, no mundo real, as equipes de engenharia e TI passam uma parte desproporcional de seu tempo combatendo incêndios de segurança, corrigindo erros internos e executando auditorias de fornecedores.

Essas equipes estão se esgotando, gastando cerca de 30% de seus recursos na construção e manutenção de ferramentas internas, reduzindo a produtividade e aumentando a dívida técnica.

Setenta por cento dos líderes de TI agora dizem que os atrasos nos projetos os impedem de trabalhar em projetos estratégicos. Contratar sozinho não pode resolver o problema.

A demanda por talento técnico supera em muito a oferta, como demonstrado pelo fato de que seis em cada dez CIOs esperam falta de habilidades para impedir que suas organizações acompanhem o ritmo da mudança.

Ao mesmo tempo em que as equipes de TI e engenharia lutam para manter aplicativos internos, as equipes de negócios continuam adicionando ferramentas de terceiros fragmentadas para aumentar sua própria agilidade.

Sem suporte interno, os usuários corporativos contratam consultores externos de TI. A Cloud prometeu a adoção fácil de software, com integração perfeita, mas a realidade das mudanças rápidas das necessidades de negócios levou a um retorno estrondoso de software personalizado caro.

De acordo com a Forrester Research, os gastos corporativos com software personalizado devem duplicar de US $ 250 bilhões em 2015 para US $ 500 bilhões em 2020. Além dos custos de consultoria, tem os custos decorrentes de perca da agilidade da empresa e os fluxos de trabalho ineficientes e isolados.

Essa explosão de demanda por aplicativos personalizados representa a oportunidade perfeita para no-code capturar gastos que, de outra forma, seriam direcionados aos serviços.

No code aumenta drasticamente a base de usuários de software técnico.

As soluções no code permitem que usuários não técnicos criem, configurem e mantenham software sem saber programar.

Como uma nova classe de interface do usuário, no code permite que os usuários projetem ou configurem software com um fluxo de trabalho visual, eliminando a necessidade de conhecimento de programação e abstraindo outras complexidades técnicas (por exemplo, integrações de API, mapeamento de dados etc.).

No code é uma mudança muito mais ampla que uma nova categoria e será adotada sempre que houver complexidade técnica a ser abstraída e restrições de recursos associadas ao fluxo de trabalho.

Low code ou no code são frequentemente mencionados de forma intercambiável, mas são conceitos distintos.

O conceito de no code existe há décadas. O Excel é uma das ferramentas de código mais antigas e mais amplamente utilizadas existentes. Também existem outras ferramentas populares, como o Visual Basic e vários editores WYSIWYG. Embora o conceito por trás de no code certamente não seja novo, o que há de novo é a ampla adoção de no code nas empresas.

De acordo com a Forrester Research, 84% das empresas começaram a usar tecnologia de no code, e o Gartner prevê que no code representará 65% de todo o desenvolvimento de aplicativos até 2024. Essa mudança na adoção foi catalisada tanto pela aceleração de restrições e mudanças culturais nos departamentos de TI, bem como mudanças técnicas que aprimoram a funcionalidade das plataformas no code.

Os aplicativos em nuvem estão desconectados um do outro e por isso estão fora de controle.

Como os fluxos de trabalho abrangem um número crescente de ferramentas, eles estão ficando cada vez mais manuais.

Os usuários corporativos foram forçados a mapear os fluxos de trabalho de acordo com as restrições de seu software, mas deve ser o contrário.

Eles precisam de uma maneira de combater essa fragmentação com o poder de criar integrações, automações e aplicativos que se alinham naturalmente aos seus fluxos de trabalho ideais.

Em segundo lugar, arquitetonicamente, a onipresença da nuvem e das APIs permite o software “modular” que pode ser criado, conectado e implantado rapidamente a baixo custo, composto por blocos de construção para funções específicas (como Stripe para pagamentos ou Zapier para conectividade de dados).

Serviços de API de terceiros e sistemas legados que utilizam gateways de API simplificam drasticamente a conectividade. Como resultado, é mais fácil do que nunca criar aplicativos complexos usando blocos de construção pré-montados.

Por exemplo, um processo simples de aprovação de empréstimos pode ser construído em minutos usando o reconhecimento óptico para converter imagens em dados estruturados, conectando-se a agências de crédito (SERASA) e integrando-se a serviços internos, todos via APIs.

Essa modularidade das ferramentas de ponta é uma mudança de jogo para a produtividade do software e um facilitador essencial para no code.

Por fim, os líderes empresariais estão pressionando os CIOs a evoluir sua abordagem para o desenvolvimento de software para facilitar a transformação digital.

Nas gerações anteriores, muitos CIOs acreditavam que seus negócios precisavam desenvolver e possuir o código-fonte para todos os aplicativos críticos.

Hoje, com as equipes de TI com escassez de pessoal e incapazes de acompanhar as necessidades dos negócios, os CIOs são forçados a encontrar alternativas. Impulsionados pela necessidade comercial urgente e atenuados pela segurança e confiabilidade da arquitetura moderna da nuvem, mais CIOs começaram a considerar a alternativa de código que permite que o código-fonte seja construído e hospedado em plataformas proprietárias.

Muitos líderes de TI resistiram ao no code ao longo dos anos devido aos riscos de segurança, perda de controle do código usado, complexidade de integração com os principais sistemas, possível manipulação de dados sensíveis e sistemas críticos por usuários de negócios.

Todas essas são preocupações razoáveis, mas os ventos estão mudando e vimos uma maior abertura a no code nos últimos anos.

Enquanto há apenas alguns anos atrás, muitos líderes de TI consideravam um risco conduzido pelos negócios (Gartner, 2014), hoje muitos desses mesmos líderes consideram essa tendência uma alavanca estratégica a ser adotada (Gartner, 2019). Eles decidiram, como nós, que, se executado corretamente, no code poderá promover uma colaboração mais eficiente entre os negócios e a TI de uma maneira que atenda simultaneamente às necessidades de ambos.

No code é mais um passo no caminho da abstração da “infraestrutura” em favor de maior eficiência.

O no code vem obtendo sucesso, oferecendo duas vantagens principais para as empresas:

Maior velocidade: Com no code as empresas respondem às necessidades da concorrência e dos clientes lançando novos produtos digitais rapidamente, sem depender de recursos de engenharia e TI sobrecarregados.

Exemplo: usando o Unqork *, uma plataforma de desenvolvimento de aplicativos sem código, uma unidade de negócios de um dos 10 principais bancos globais lançou um novo produto de gerenciamento de patrimônio em apenas três meses.

A equipe de TI interna estimar que levariam dois anos para desenvolver.

Outro exemplo, usando o Webflow, uma ferramenta de design para web no code, uma grande empresa de tecnologia permitiu que sua equipe de 100 designers montasse e iniciasse sites totalmente funcionais sem o uso de agências de design externas.

Maior eficiência operacional: outras empresas de código não estão capacitando as equipes operacionais para criar e automatizar processos, para que possam responder às necessidades dos clientes mais rapidamente e aumentar a produtividade da equipe. Exemplo: uma empresa global de mídia implantou o UiPath * para acelerar a transformação digital e liberar os funcionários de serem a “cola” entre os sistemas, economizando 350.000 horas no primeiro ano em mais de 20 unidades organizacionais.

Usando o BRYTER, um escritório de advocacia global autorizou milhares de advogados a codificar áreas específicas do conhecimento jurídico para automatizar tarefas internas repetitivas e criar ferramentas personalizadas para os clientes.

Os clientes do escritório estão entusiasmados com os novos produtos, e o escritório de advocacia é capaz de dedicar seus profissionais do conhecimento aos problemas mais difíceis e de maior valor da empresa.
Nenhum disruptor de código conduzirá a próxima mudança geracional
As categorias de software evoluem em gerações. Da mesma forma que o cloud definiu a geração atual, no code definirá a próxima geração, substituindo os titulares de longa data e criando novas categorias com sua dupla promessa de velocidade mais alta, juntamente com custos mais baixos. Essa mudança será mais poderosa em áreas onde a urgência de melhores softwares (impulsionada pelas necessidades da empresa) cruza com as restrições de capacidade para usuários técnicos.

Essa mudança fundamental fornece uma abertura para uma nova safra de empresas no code crescer na próxima geração de potências de software.

Os produtos no code mais bem-sucedidos abraçarão como uma nova camada de abstração estruturada em torno da maneira como as pessoas pensam, em vez de simplesmente uma camada de sintaxe visual que mascara as mesmas etapas do processo de escrever código.

Esse repensar fundamental dos processos de negócios será necessário para dimensionar verdadeiramente a funcionalidade dos usuários não técnicos.

Talvez a esperança mais empolgante para no code seja que ele democratize as habilidades técnicas essenciais para a construção de negócios modernos e possibilite um novo ecossistema de empresas independentes e unidades de negócios corporativos construídas com idéias diversas e de alta qualidade, independentemente do acesso de suas equipes a desenvolvedores altamente qualificados.

Apesar do crescente burburinho, ainda estamos no começo do movimento no code, especialmente dentro das empresas.

Estamos entusiasmados e mal podemos esperar para ver como os empreendedores aproveitarão seu potencial para melhorar drasticamente nossas interações mais básicas com software.

Para a maioria dos usuários corporativos não técnicos o no code será uma realidade em breve, que te vai possibilitar que novas ideias sejam implementadas muito mais rápido.

Notícia extraida do https://techcrunch.com/2020/07/07/no-code-will-define-the-next-generation-of-software/

Faça parte do Powertic PRO!

Cursos Online, Plantão de Dúvidas Semanal, Fórum e Conteúdo Exclusivo.

  • Mautic
  • Wordpress
  • Elementor
  • SEO
  • Metabase

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.